Periodicidade: Diária - Director: Armando Alves - 21/09/2017.
 
 
PADILLA / DIAS GOMES / ROUXINOL / JOÃO GRAVE
PADILLA / DIAS GOMES / ROUXINOL / JOÃO GRAVE
05 de Setembro de 2017

Grande corrida dia 7 no Campo Pequeno

Intensa agenda de Juan José Padilla antes de se apresentar em Lisboa

O Matador de toiros espanhol Juan José Padilla tem um intenso programa de corridas antes de actuar no Campo Pequeno, facto que ocorrerá pela segunda vez esta temporada, a 7 de Setembro.

O diestro actuará a 30 de Agosto em Calahorra e nos dias 1, 2 e 6 de Setembro, respectivamente em Ejea de los Caballeros, Requena e Valladolid.

Na quinta-feira feira, 7, será o seu reencontro com a afición de Lisboa, numa corrida mista em que alternará com o português Manuel Dias Gomes.

Padilla e Dias Gomes, a revelação da temporada de 2016, protagonizaram a 29 de Setembro do ano passado, no Campo Pequeno, alguns dos melhores momentos de toureio a pé desse ano, tendo o diestro espanhol saído em ombros.

Juan José Padilla é actualmente, o segundo matador do “escalafón” espanhol, com 30 corridas toureadas, tendo sido premiado com 39 orelhas e um rabo.

Em Lisboa, onde conta por triunfos com saídas em ombros as suas três actuações, o diestro irá lidar toiros da ganadaria Manuel Veiga, divisa triunfadora de 2016.

A lide a cavalo estará a cargo de Luís Rouxinol, que esta temporada comemora trinta anos de alternativa, durante os quais tem desenvolvido uma carreira brilhante já este ano referendada por dois triunfos (20 de Julho e 18 de Agosto), no Campo Pequeno.

Pega o prestigiado Grupo de Forcados Amadores de Santarém, com um historial de 100 anos de tradição, glória, raça e valentia, capitaneado por João Grave.

Os toiros para a lide a cavalo pertencem à ganadaria de Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas.

 

Manuel Dias Gomes: “Quero conquistar a afición de Lisboa”

O Matador de Toiros Manuel Dias Gomes, o matador revelação da temporada de 2016 no Campo Pequeno, voltará a esta praça no dia 7 de Setembro para “conquistar a afición de Lisboa e mostrar que o triunfo do ano passado não foi por acaso”.

Manuel considera que a temporada de 2016 no Campo Pequeno foi “um grande triunfo para o toureio a pé e geral por aqui terem toureado vários Matadores de Toiros Figuras. Destacarem-me como matador revelação da temporada é para mim um grande triunfo pessoal”.

O diestro encara este seu regresso ao Campo Pequeno, e de novo alternando com Juan José Padilla como o reconhecimento da importância da sua actuação de 2016. “Quero demonstrar que o meu triunfo não foi por acaso”, afirma a sua ambição, embora reconhecendo a grande ligação que o Maestro Padilla tem ao Campo Pequeno: ” Quero ser um toureio de Lisboa e, obviamente, ganhar o respeito do publico”.

Analisando a sua temporada de 2016, classifica-a como “bastante positiva”, uma vez que tem toureado com regularidade, o que, acrescente “é fundamental para um novo Matador de Toiros”.

Centrado na sua atuação de 7 de Setembro próximo, estabelece como objectivo para 2018 a confirmação da alternativa, na Monumental de Las Ventas (Madrid).

Manuel Dias Gomes alternará com Juan José Padilla, matador que conta por saídas em ombros as suas três actuações no Campo Pequeno. Lidarão 4 toiros da ganadaria de Manuel Veiga, também triunfadora em 2016 em Lisboa.

A lide a cavalo estará a cargo de Luís Rouxinol, que esta temporada comemora trinta anos de alternativa, durante os quais tem desenvolvido uma carreira brilhante já este ano referendada por dois triunfos (20 de Julho e 18 de Agosto), no Campo Pequeno.

Pega o prestigiado Grupo de Forcados Amadores de Santarém, com um historial de 100 anos de tradição, glória, raça e valentia, capitaneado por João Grave.

Os toiros para a lide a cavalo pertencem à ganadaria de Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas.

 

Luís Rouxinol: Regresso ao Campo Pequeno na corrida de Triunfadores “é motivo de orgulho”

Orgulhoso pelos seus triunfos de 20 de Julho e 18 de Agosto, no Campo Pequeno, o cavaleiro Luís Rouxinol considera que a sua terceira corrida nesta praça, na próxima quinta-feira, “é o reconhecimento desses triunfos, mas igualmente o reconhecimento por parte da empresa pelo facto de estar a comemorar 30 anos de alternativa”.

“Sinto-me muito feliz e orgulhoso, por estas três circunstâncias se terem conjugado”, acrescenta.

A 7 de Setembro, Luís Rouxinol lidará dois toiros da ganadaria Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas, a única ganadaria portuguesa de encaste Buendía-Santacoloma. Questionado sobre a “receita” para lidar com êxito este tipo de toiros, o cavaleiro afirma: “Penso que a receita é a mesma para lidar qualquer outro encaste. O importante mesmo é que o ingrediente principal, neste caso os toiros, saiam bem e proporcionem transmissão e emoção às bancadas. O resto, e da minha parte, será procurar praticar o meu toureio, arrimar-me, manter o toiro ligado nas montadas e ser eficaz na ferragem. Penso que isso é o fundamental para que as actuações funcionem”.

Em jeito de balanço da temporada, refere que esta tem sido marcada por alguns momentos especiais, como foi a sua encerrona ou a alternativa do seu filho, Luís Rouxinol Júnior (20 de Julho, no Campo Pequeno).

“A nível artístico julgo que tenho correspondido à expectativa de quem tem seguido a minha carreira ao longo destas três décadas. Tenho feito por manter o nível e a qualidade do meu trabalho, se bem que este ano me tenha faltado por vezes alguma sorte no sorteio e nem sempre tem sido possível desfrutar como gostaria”, diz e dá como exemplo o primeiro toiro do seu lote, na corrida de 18 de Agosto. “Mas penso que ainda assim eu soube dar a volta por cima, que na verdade, é o que um toureiro tem que saber fazer nessas circunstâncias”, acrescenta.

Na temporada em que comemora trinta anos de alternativa, expressa do seguinte modo a sua postura de figura do toureio: “Do Luís Rouxinol poderão continuar a esperar a mesma entrega e dedicação na arena com que sempre tenho saído em cada corrida e em cada praça. Não sei por mais quanto tempo isso irá acontecer, afinal trinta anos de alternativa já são qualquer coisa, mas enquanto aqui andar, será sempre essa a minha posição na Festa”.

Os toiros a lidar por Luís Rouxinol serão pegados pelo Grupo de Forcados amadores de Santarém, capitaneado por João Grave.

O cartel contempla ainda uma competição luso-espanhola através dos matadores de toiros Juan José Padilla, triunfador com saídas em ombros nas suas três presenças no Campo Pequeno e Manuel Dias Gomes, matador revelação da temporada de 2016, na Monumental de Lisboa, que lidarão 4 toiros da ganadaria Manuel Veiga, igualmente triunfadora em 2016, nesta praça.

João Grave: "Estar num cartel de grandes figuras é uma responsabilidade acrescida"

O Cabo do Grupo de Forcados amadores de Santarém, João Grave, considera, a propósito da participação na corrida desta quinta-feira, no Campo Pequeno, que "estar num cartel de grandes figuras, representa sempre uma responsabilidade acrescida".

"Trata-se de um cartel de grandes figuras e, além do mais triunfadores no Campo Pequeno, pelo que, participar numa corrida com este 'sal', constitui um estímulo muito grande para o nosso grupo e, seguramente, para todos os artistas que irão estar em praça", afirma.

"Iremos tentar tirar o melhor partido de cada toiro para proporcionarmos um espectáculo de arte e emoção, consentâneo com a exigência dos espectadores e dos pergaminhos do grupo", acrescenta.

João Grave refere que, apesar de este ano o grupo ter pegado em menos corridas, tem sido uma época de bons triunfos, salientando o obtido no Campo Pequeno, a 20 de Julho e o de 15 de Agosto, nas Caldas da Rainha.

"Gostaria de ter pegado mais corridas pois tenho forcados de grande qualidade a despontar no grupo e não consigo dar as oportunidades que todos merecem e necessitam para se poderem consolidar", diz o Cabo, sublinhando, contudo, a grande categoria dos cartéis que tem integrado.

Nesta corrida, o Grupo de Forcados Amadores de Santarém irá pegar dois toiros da ganadaria Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas, fundada em 1946, a única ganadaria de Portugal de encaste Buendía-Santa Coloma.

Além do Grupo de Forcados Amadores de Santarém, actuam nesta corrida o Cavaleiro Luis Rouxinol e os Matadores de Toiros Juan José Padilla e Manuel Dias Gomes, que lidarão quatro toiros da ganadaria Manuel Veiga.