Periodicidade: Diária - Director: Armando Alves - 25/09/2018.
 
 
ESTA QUINTA FEIRA PABLO HERMOSO ENFRENTA TOIROS DA GANADARIA CHARRUA NO CAMPO PEQUENO
ESTA QUINTA FEIRA PABLO HERMOSO ENFRENTA TOIROS DA GANADARIA CHARRUA NO CAMPO PEQUENO
02 de Setembro de 2018

Venha ao Campo Pequeno desfrutar de uma grande noite de toiros

PABLO HERMOSO DE MENDOZA UM REJONEADOR ÚNICO: No Campo Pequeno na próxima quinta-feira

O rejoneador espanhol Pablo Hermoso de Mendoza regressará quinta-feira, 6 de Setembro, ao Campo Pequeno, alternando com os cavaleiros João Moura e Rui Fernandes, na lide de toiros de António Charrua, que serão pegados pelos grupos de forcados amadores de Évora e de Alcochete.

A corrida tem um significado especial por nesta se comemorarem os vinte anos de alternativa do cavaleiro Rui Fernandes, e por ter sido possível reunir, nesta data, o mesmo trio de cavaleiros da corrida de 6 de Agosto de 1998.

Pablo Hermoso de Mendoza, que testemunhou a alternativa apadrinhada por João Moura mantém, de há anos a esta parte, o estatuto de primeiríssima figura mundial do rejoneio, conquistado ao longo de uma carreira oficialmente iniciada a 6 de Outubro de 1985, na praça de toiros de Pamplona. A alternativa viria 4 anos mais tarde (18 de Agosto de 1989) na sua cidade natal, Tafalla (Navarra, Espanha).

O conceito de toureio de Pablo Hermoso de Mendoza tem uma ideia central: basear o mais possível o toureio a cavalo nos axiomas do toureio a pé, aproveitando ao máximo o paralelismo existente entre estas duas formas de expressão.

Para Pablo, “A melhor lide é aquela em que se toureia de frente, vendo aproximar o toiro por entre as orelhas do cavalo, pois esse é, digamos o ‘ponto de mira’. Depois vem o esquivar-se à investida, que é feita pelo cavalo, logo, sem o engano do capote ou da muleta”.

Sobre a sua carreira de mais de 30 anos de profissionalismo refere: "Tem sido bonita porque a tenho vivido sobre os mais diversos prismas: desde o tempo em que não tinha grandes opções, àquele em que passei a tê-las, seguindo-se-lhe o tempo de alternar com as figuras que já o eram,  antes de eu abraçar esta carreira e, actualmente, tenho a oportunidade de alternar com os filhos dessas mesmas figuras. Com todos eles tenho disfrutado ao máximo da minha profissão”.

 

Grupo de Forcados Amadores de Évora, dia 6 de Setembro no Campo Pequeno

O Grupo de Forcados Amadores de Évora actua quinta-feira, 6 de Setembro no Campo Pequeno, em competição directa com o Grupo de Forcados Amadores de Alcochete, ante toiros de António Charrua.

Na origem deste grupo estão alunos da então Escola de Regentes Agrícolas de Évora, a maioria dos quais nunca tinha passado pela experiência de pegar toiros. Contudo, desse núcleo inicial emergia um nome - João Nunes Patinhas - forcado já com provas dadas nos Amadores de Santarém e que, naturalmente, assumiu a chefia do novel grupo.

A estreia ocorreu a 11 de Agosto de 1963, no Redondo, ante uma corrida da ganadaria de Manuel Lampreia, com o grupo sob a chefia de João Nunes Patinhas, que desempenhou esta função até 1989. Rapidamente o grupo se impôs no panorama tauromáquico português e, em Setembro desse ano, apresentou-se com êxito no Campo Pequeno. Daí à sua inclusão nas principais corridas e feiras do calendário tauromáquico português foi um ápice.

Na década de 1970, o Grupo de Forcados Amadores de Évora viveu um período de grande actividade internacional, apresentando-se em Espanha, França, México e Estados Unidos. Na Monumental da Cidade do México causaram tal impressão que, desde então, vários grupos de forcados surgiram naquele país, sendo, hoje em dia, a arte de pegar toiros parte integrante de corridas com a intervenção de cavaleiros e rejoneadores.

Regressaram ao México na década de 80 e, nos anos 90, apresentaram-se na Colômbia (Cali, Medellín e Bogotá) e nas feiras francesas de Mont de Marsans, Saintes Maries de la Mer, Le Grou du Roi e Saint Vicent de Tyrosse.

O Grupo, dos mais respeitados e premiados de Portugal, é na actualidade capitaneado por João Pedro Oliveira. Na corrida de 6 de Setembro irá competir com o Grupo de Forcados Amadores de Alcochete, capitaneado por Nuno Santana.

Nesta corrida comemora-se o 20º aniversário da alternativa do cavaleiro Rui Fernandes que alternará com João Moura e o rejoneador espanhol Pablo Hermoso de Mendoza, que, há vinte anos foram respectivamente seu padrinho e testemunha.